新年好

Aqui ficam os meus desenhos das celebrações da passagem do ano chinês, ontem, no Martim Moniz, em Lisboa. Antes de sair de casa, e prevendo  que tudo fosse muito colorido, lembrei-me de atirar umas ecolines para a mochila para, quem sabe, dar mais força às aguarelas. Foi boa ideia, porque a cor foi o ponto forte da tarde, embora as minhas costas estejam a dizer o contrário!
Só gosto destes desenhos porque -  acidentalmente e  talvez por causa das cores - me fazem lembrar aqueles cartazes históricos  de propaganda da República Popular da China, que exaltam a felicidade do povo e a glória da nação!
Tirando isso, estão bastante atabalhoados, excessivamente imperfeitos e mal acabados. Mas não faz mal,  já deixei de ter vergonha:)
Ainda por cima, por causa deles, falei com uma série de pessoas chinesas e portuguesas, que iam metendo conversa enquanto me viam a pintar,  ouvi histórias divertidas e divulguei os USkP a todos os que me perguntaram porque havia tanta gente a desenhar.
E, por causa deles também, conheci a Karine Kuschnir, que está cá no âmbito do Um ano a desenhar para o futuro 2017.
Como dizem os brasileiros: VALEU!



Desenhar Contigo- Entre frangos, cebolas e pincéis!





No desenhar contigo desta 6ª feira, o entusiasmo foi tanto, que houve quem nem parasse para almoçar.

Na mesa misturavam-se os cadernos com as cebolas, os Compais com as aguarelas, as pernas de frango com os pinceis:))

Quase não tive tempo para desenhar, mas ainda consegui retratar o almoço que a Karine - apesar de reclamar falta de fome -  lá conseguiu comer entre as páginas do seu cada vez mais rico caderno.








Os desenhos dos meninos estão AQUI, NO SEU BLOG.
  Não se esqueçam de o visitar e, se quiserem comentar os seus desenhos,  já sabem que são muito benvindos !

Quinta do Ferro

Estive a ver (aqui) todos os desenhos feitos pelos Uskp na Quinta do Ferro e achei curioso ver como este "ângulo"  já foi tantas vezes desenhado, de formas sempre tão diferentes e pessoais...





Estava tanto frio, que - ao contrário destas corajosas sketchers - a minha escolha dos locais para desenhar foi ditada por um critério muito pouco ortodoxo:  onde fazê-lo,  apanhando uma réstaeazinha de sol.
E não foi nada fácil, garanto...


As estas três ou quatro ruas que compõem a Quinta do Ferro, nada falta para serem como uma verdadeira aldeia: nem a simpatia das pessoas -  que tão afavelmente se aproximavam de nós com simpatia, curiosidade e hospitalidade ("eu vou buscar-lhe um banquinho!") - nem um típico personagem mais desiquilibrado, para não dizer outra coisa...



O mercado foi ao Desenhar Contigo

Para dar inspiração aos mais indecisos, o mercado veio hoje para cima da nossa mesa.
Estes foram os meus desenhos.






Os dos meninos podem ver no desenharcontigo. blogspot



Le lieu unique

Domingo ao anoitecer e já com frio, uma cervejinha num daqueles espaços que dantes só encontrávamos lá fora, mas que felizmente já começam a haver também por cá, e que são um tudo em um. Café, livraria, sala de exposições, espaço de convívio, restaurante e mais que houver. Este chama-se Le Lieu Unique e é um espaço mesmo simpático e animado!


Nantes

 Já vem sendo uma tradição, este simpático fim de semana em Janeiro "chez Annie et Alain", em Nantes. Começa sempre com uma bela e demorada ida ao mercado, bem cedinho, onde não consigo desenhar para que ninguém espere por mim. Já em casa, depois das ostras bretãs, vou fazendo o que se pode...


À noite, os amigos de infância ficam à conversa, trocam bandas desenhadas, contam piadas,  recordam histórias antigas...As barriguitas cresceram  mas, de resto, tudo continua igual:)

Nos passeios pela cidade muitas  e muitas coisas chamam pelos cadernos na mochila, mas... não pode ser! Só um desenhito muito rápido mesmo à porta de casa e outro, da janela da sala, sobre os telhados negros e chaminés atijoladas. E ainda  um, de um pedinte-  não o único que vi- a relembrar que afinal o desemprego e a misérioa  existem também por toda a Europa









 No domingo, chuviscou e estava frio. Numa espécie de " Marché aux Puce" os nossos amigos quiseram comprar uma cómoda. Felizmente a transacção ainda demorou uns instantes, suficientes para eu  tentar apanhar uns vendedores e compradores muito peculiares e preparados para o frio, que em casa calmamente pude definir melhor.



E, com um desenho na sala de embarque, acaba o fim-de-semana!




Aeroporto-partidas

Aeroportos, gares, comboios e até mesmo hotéis são para mim espaços mágicos onde se pode experimentar o prazeirento sabor  do anonimato. São sítios de parte nenhuma, lugares de todos e de ninguém,  espaços de fantasia, onde sentimos o peso  das  vidas que ali passam continuamente e a leveza de o fazerem sem deixar rasto.
Com  mais ou com menos tempo, gosto sempre de os desenhar. desta vez foi antes de partir para Nantes, nas partidas do terminal Lowcost ...

Desenhar contigo XIV

Os meus dois registos deste dia:
A secretária da Olga, porque  tudo  passa por aqui. O seu bloco, com os nomes de quem vai chegando,  o telefone por onde os meninos vão sendo chamados, e  o sereno jardim em fundo.

A Miriam numa espécie de "colo ao quadrado": uma boneca, ao colo duma menina, ao colo duma mãe.
 A Miriam é da belíssima ilhaTerceira e hoje tem muito soninho!


Desenhar para lembrar


Desde sempre tenho tentado que o blog não seja apenas um amontoado de desenhos e que tenha, pelo menos para mim, um valor emocional acrescido, sem o qual não me parece ter qualquer sentido. Ultimamente tem-me apetecido que haja também uma relação entre os desenhos  e o que se vai passando fora das quatro paredes da minha vida. É claro que, para isso, os desenhos não podem ser exclusivamente de observação e no local, mas - como diz o bebé que é imagem da Chicco - "Qui comando io" e, por isso, aqui posso publicar tudo, com toda a  liberdade.
Ontem porém, pude fazer um desenho in loco sobre o acontecimento da semana: desenhei  o João Pedro a ler   nos jornais a notícia da morte daquele  que, na foto de há muitos anos,  parece disputar com ele o tamanho das suas bochechas!

Desenhar Contigo XIII

Também hoje - véspera do último dia do ano -  a sala estava muito calminha. É tempo das voluntárias, educadoras, e auxiliares se sentarem à conversa, a fazer contas ao ano que passou e a pensar em planos para o futuro...



A Karine já não está internada, e veio cheia de força e vontade de desenhar !
E eu desenhei-a enquanto ela pintava  nos novos cadernos que (OBRIGADA!!!) nos deram. As pessoas iam e vinham, mas a Karine estava tão focada na aguarela que nem parecia dar por nada.


E, na mesma dupla página,  desenhei também mães, na sala, à espera que seja a vez dos seus meninos...

Depois fui visitar a Petra ao internamento. Quando voltei tinha  o Fábio à minha espera. 
Disse que não sabia desenhar mas,  como sempre, fica provado que essa frase não se pode dizer nunca!
E eu tentei desenhá-lo a ele, enquanto ele desenhava e me contava a sua história!
                                (se querem ver os desenhos deles, vão AQUI )

Praia Grande

No Natal também se namora. O Luís e a Loirinha que o digam;)
(Coitado do Luís, ficou prognata!)

Com música é outra coisa!


 Felizmente, não tem havido festa de família sem um bom dueto destes dois carolas! Duas gerações que, com um certo despique, se entruzam musicalmemte na perfeição e conseguem
 verdadeiras magias. Que sorte que nós temos. Obrigada, Vasco e Manel:)

Experiências

Quando há mais tempo, podemos fazer experiências, brincar com os materiais, misturá-los, usar coisas novas e diferentes daquilo que estamos habituados...Foi o que fiz nas Azenhas, primeiro num pôr de sol lindíssimo e colorido. depois, em casa ao serão...



Ode à mesa de Natal :))

O Bolo Rei porque faz parte, 
os sonhos porque é Natal
 as filhoses de abóbora porque  a avó Eia - que era da Guia- já as fazia, 
as broas escuras porque dantes até vinham de Abrantes,
 as Castelar porque o meu pai - que era  o de Abrantes - preferia, 
as filhoses do Alentejo, porque era a sogra da minha sogra quem as fazia dantes
as azevias - receita Sardoal - porque há quem goste no Natal, 
o ananás para desenjoar, 
as farófias porque - coitadinhos dos meninos - não gostam muito do resto
 o arroz doce... porque é menos indigesto.
E um dia,
 talvez no Natal à mesa, 
se sirva algo que já fazia a avó Teresa!